AO: não tão mau

Tem as costas largas

 

 

      «Ando à procura de uma pasta nova. Há três anos que tenho usado um saco de pesca, feito à mão, para a excelentíssima Hipescaça do Mucifal, por quem sabe o que querem os pescadores.

      Para mim, era ideal, com a ajuda de uma rígida pasta porta-folhas (ou portfolio, sem acento, como manda o AO) para levar os jornais inteiros e sob pressão, para ficarem bem engomadinhos, sem vincá-los ou dobrá-los» («As malas dos meninos», Miguel Esteves Cardoso, Público, 13.04.2012, p. 51).

      Manda? Não manda nada. Miguel Esteves Cardoso está a confundir com outro acordo, o de 1986. Nesse é que se preconizava a abolição do acento gráfico nas palavras proparoxítonas.

 

[Texto 1363]

Helder Guégués às 06:40 | comentar | favorito
Etiquetas: