Está bem: «mar Negro»

Como se fosse opcional

 

 

      «Como dizia A.J.P. Taylor, numa frase que ficou célebre, as dificuldades da Alemanha vêm do facto irremovível de ser grande e rica demais para um espaço tão pequeno. Se virmos bem – Berlim tem hoje a responsabilidade de “civilizar” e “desenvolver” os países do mar Negro (que prepara esforçadamente para Schengen e um mercado um pouco menos corrupto) como tem a de tirar a Grécia (que, de resto, durante a II Guerra, invadiu e ocupou) do buraco em que se meteu» («O Tratado», Vasco Pulido Valente, Público, 14.04.2012, p. 56).

      Muito bem: mar Negro. Por vezes, porém, os autores mandam o recado de que querem tudo em maiúsculas...

 

[Texto 1367]

Helder Guégués às 19:11 | comentar | favorito
Etiquetas: