Sobre «cônjuge»

Olha este

 

 

      Caro Montexto, já não precisamos do Doutor Fausto: «Eis o prémio para as cônjuges de soalhos sem mácula e de sovacos e partes secretas escaroladas alastrando o aroma a sabonetes escolhidos» (Tubarões e Peixe Miúdo, Alexandre Pinheiro Torres. Lisboa: Editorial Caminho, 1986, p. 94).

 

[Texto 1381]

Helder Guégués às 17:15 | comentar | favorito
Etiquetas: