Léxico: «insucedido»

Dá acontecência ao insucedido

 

 

      «Foi um jornalista que lançou três publicações efémeras, insucedidas no mercado, mas duradouras na memória de quem as leu» («Porque escrevemos sobre Miguel Portas?», Pedro Tadeu, Diário de Notícias, 1.05.2012, p. 17).

      Que não tiveram sucessão ou sucessoras? Não é termo de todos os dias. É mesmo mais visto na área do Direito: «mortos intestados ou insucedidos», é a frase de Rui Barbosa abonada pela Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira. O mais estranho é que já o vi a pretender significar o antónimo de «bem-sucedido» — como é provável que signifique no texto do Diário de Notícias. Pois é... «Como é que as vias de ensino técnico-profissional podem deixar de ser consideradas para os pobres, os insucedidos, os “jovens em risco”?» (Casa Pia de Lisboa: Um Projecto de Esperança, Conselho Técnico-Científico da Casa Pia de Lisboa. Lisboa: Principia, 2005, p. 370). E a significar aquilo que não aconteceu: «Se tinham algum fundo de verdade os murmúrios do povo, as insinuações, os risos de caxexe, isso não sei. De resto, pouco importa: entre nós o boato sempre foi mais poderoso que a verdade. Ele faz acontecer, dá acontecência ao insucedido» (A Feira dos Assombrados e Outras Estórias Inverosímeis, José Eduardo Agualusa. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 2001, 2.ª ed., p. 58).

 

[Texto 1447] 

Helder Guégués às 09:41 | comentar | favorito
Etiquetas: