Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Linguagista

«Não, senhor»

Vale o que vale

 

 

      «Um grande argumento de que se utiliza “mestre” Moreno para gritar que ele sabe tudo, e eu nada, é o da idade. Como nasceu antes de mim, jura e perjura que não, senhor, “nunca” precisou nada de quanto eu haja investigado» (Estudos Críticos de Língua Portuguesa: contra os Gramáticos, Vasco Botelho de Amaral. Porto: edição do autor, 1948, p. 186).

      Aparece pelo menos duas vezes assim, mas agora só encontro esta ocorrência. Vale o que vale — numa obra que fala de erros e gralhas, estas superabundam. Nada que atrapalhasse o Mestre. «Mas onde estão esses erros crassos? Do coração agradeço que mos apontem, pois aquele magro “carapau” gramatical não chega para me engasgar» (p. 201).

 

[Texto 1512]

Comentar:

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.