Suspeito, precisa-se

Ou não

 

 

      Jornalista Fátima Araújo, no Bom Dia Portugal de ontem: «Um homem foi esfaqueado, esta madrugada, em Lisboa, e morreu. Aconteceu na Rua dos Anjos, perto do Largo do Intendente. A vítima, de 36 anos, foi esfaqueada no pescoço. Foi conduzida pelo INEM ao hospital, onde chegou já sem vida. Não há informações sobre o que esteve na origem deste homicídio e também não se sabe do paradeiro do suspeito.»

      Qual suspeito? Não se sabe é do paradeiro do responsável deste crime, do agressor, do homicida. Vá lá, podia — e não pode sempre? — ter sido pior: os jornalistas também gostam de «eventual suspeito».

 

[Texto 1603]

 

Helder Guégués às 09:42 | comentar | favorito
Etiquetas: