«Crise humanitária»?

Esta não (lhes) passa

 

 

      «No lado norte da fronteira, no devastado Cordofão Sul, forças de Cartum estão a bombardear populações civis de tribos pró-sulistas, tendo provocado dezenas de mortos e uma crise humanitária» («Norte e Sul não se entendem sobre divisão do petróleo», Luís Naves, Diário de Notícias, 15.06.2011, p. 25).

      Este veio para ficar. Eu já escrevi antes isto, mas, como os jornalistas reincidem, repito: o vocábulo «humanitário» apenas se pode utilizar em expressões que qualifiquem acções benéficas, positivas: ajuda humanitária, corredor humanitário, intervenção humanitária, missão humanitária das ONG, trabalhador humanitário, etc. De contrário, já reparou, Luís Naves?, a semântica de cada um dos termos é de sinal oposto.

      Quanto à grafia do topónimo Cordofão Sul, está muito bem. Tem o seu mérito. Afinal, no Público escrevem Kordofan.


[Texto 162]

Helder Guégués às 15:25 | comentar | favorito
Etiquetas: