Onde está o «fideputa»?

Faz falta

 

 

      «Câmara do Porto mandou retirar de todos os espaços municipais o último número do guia de restaurantes Porto Menu, em cuja capa figura uma imagem, ao que tudo indica alterada digitalmente, na qual aparece um dos torreões do Mercado do Bolhão com um suposto grafito, no qual se lê, em maiúsculas, a frase “Rio és um fdp”» («Câmara do Porto vai processar revista em cuja capa se vê um insulto a Rui Rio», Jorge Marmelo, Público, 8.06.2012, p. 36).

      «Grafito», muito bem. Ou «pichagem». Com a ameaça de processo, o director da publicação já veio defender-se: «Manuel Leitão nega ainda que a frase “Rio és um fdp” seja uma ofensa ao autarca. “Que eu saiba, ‘Rio’ é um substantivo próprio que significa um curso de água e o resto são três iniciais, um verbo e um artigo”, disse ao PÚBLICO.» A propósito, porque é que os dicionários não registam o gil-vicentino «fideputa»? Aliás, em Gil Vicente era fi’ de puta.

 

[Texto 1653]

Helder Guégués às 22:03 | favorito
Etiquetas: