Tradução: «rastrello»

Falta de experiência

 

 

      «Em volta, os jogadores, homens e mulheres, velhos e novos, de todos os países e de todas as condições, uns sentados, outros de pé, apressavam-se nervosamente a dispor pequenos montículos de luises, de francos e de notas nos números amarelos dos quadrados; os que não conseguiam aproximar-se, ou o não queriam, diziam ao banqueiro os números e as côres em que queriam jogar, e logo o destro banqueiro, com a sua rasoira, dispunha maravilhosamente as jogadas» (O Falecido Matias Pascal, Luigi Pirandello. Tradução de José Marinho. Lisboa: Inquérito, s/d [mas de 1945], 2.ª ed., p. 61).

      Aqui o filósofo, o tradutor, digo, errou. No original, está rastrello. Em inglês diz-se rake; em francês, râteau; em castelhano, rastrillo. Talvez se hesitasse entre rodo e ancinho, mas o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora regista como acepção de «rodo» o utensílio semelhante para aproximar e recolher o dinheiro nas bancas do jogo. Agora «rasoira»... Só quem nunca viu nenhuma é que pode confundir.

 

 [Texto 1714]

Helder Guégués às 08:21 | comentar | favorito
Etiquetas: