«Haveriam de passar»

Não me consumas

 

 

      «Um dia, Luís Vita apareceu no estúdio do programa Meia de Rock da Rádio Renascença com uma novidade: havia um barbeiro na Calçada do Combro que fazia uma música diferente. “Claro que foi violentamente gozado”, recorda Rui Pêgo, que com António Duarte completava a equipa do programa. “Mas o Vita tinha razão.” Rendidos a António Variações, foram gravar um programa em casa dele. “Era tudo verde. Ele tinha uma camisola de gola alta verde, as paredes eram verdes. E ele estava nervosíssimo.” Gravaram duas músicas – O Comprimido e Não Me Consumas – que haveriam de passar “até à exaustão” no Meia de Rock» («O barbeiro que fazia umas canções em casa», M. J. C., Diário de Notícias, 11.07.2012, p. 29).

 

 [Texto 1805]

Helder Guégués às 12:59 | comentar | favorito
Etiquetas: