Concordância com percentagens

Pior do que Por uma Vida Melhor

 

 

      Esqueçam a cruzada contra o Acordo Ortográfico de 1990. Resolvam estes problemas: «Numa sondagem da “Metroscópia”, 81 por cento dos inquiridos considerava que os “indignados” tinham razão, e 84 em cada 100 opinava que as preocupações do movimento correspondiam aos problemas reais dos cidadãos» («Os “indignados” chegaram a uma encruzilhada», Nuno Ribeiro, Público, 20.06.2011, pp. 2-3).

      Quando o sujeito é composto por uma expressão de percentagem no plural (no caso, «81 por cento») seguida de um termo preposicionado (no caso, «dos inquiridos»), o verbo concorda com o termo preposicionado que especifica a referência numérica: se o termo estiver no singular, o verbo vai para a 3.ª pessoa do singular; se estiver no plural, vai para a 3.ª pessoa do plural. Difícil? Em «84 em cada 100 opinava», ainda é mais flagrante a necessidade de haver concordância. Embora nesta oração se omita o especificador, mais óbvio, se assim podemos dizer, se torna a necessidade de o verbo concordar com o número.

      Última nota: uma «sondagem da “Metroscópia”» é equivalente, imagino, a uma «sondagem da “Marktest”»... O nome é Metroscopia, e, sendo um instituto de investigação social e de opinião, não precisa de aspas.

 

[Texto 192]

Helder Guégués às 12:41 | comentar | favorito | partilhar
Etiquetas: