Ortografia

Da preguiça

 

 

      «Há uns anos o historiador inglês [sic] Nial [sic] Ferguson escreveu um ensaio cáustico intitulado The Atheist Sloth Ethic, Or Why Europeans Don’t Believe in Work [A ética ateia da preguiça, ou porque os europeus não acreditam no trabalho]. Os europeus e, em particular, os europeus do Sul acabam sempre mal tratados por comentários deste género» («As férias», Pedro Lomba, Público, 5.07.2011, p. 40).

      Ofendidos, ultrajados, tratados com aspereza, grosseiramente? Então, caro Pedro Lomba, aglutine: maltratados. «Xenophanes de Colophonia (de quem já nos lembrámos quando tratámos dos poetas philosophos) escreve satyras, nas quaes Homero e Hesiodo foram maltratados, principalmente por haverem introduzido nas suas poesias indecorosas ficções ácerca dos deuses» (Miscellanea Hellenico-Litteraria, António José Viale. Lisboa: Imprensa Nacional, 1868, p. 226).

 

[Texto 260]

Helder Guégués às 17:58 | comentar | favorito | partilhar
Etiquetas: