Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Linguagista

Sobre «camareira»

D. Dominique perdeu o domínio

 

 

      Tanto quanto pude ler, só a imprensa brasileira e, entre nós, o Jornal de Notícias e o Diário de Notícias, dizem que o alarve do Strauss-Khan tentou abusar de uma camareira. O resto da imprensa fala em empregada. Antigamente, só as famílias nobres tinham camareiras. As rainhas tinham donzelas, açafatas, aias... A camareira, e então camareira-mor, era a máxima jerarquia, como escreveu Camilo, nas empregadas do paço. Agora, as camareiras, decerto que por influência da língua espanhola e por compreensível evolução semântica, são simples arrumadeiras em hotéis. Evolução oposta à de «ministro», antigamente somente criado, servidor.

      «Diz a imprensa que o chefe do FMI saiu nu da casa de banho de um quarto de hotel e tentou, por duas vezes, abusar de uma camareira» («O crime sexual também é um abuso de poder», Pedro Tadeu, Diário de Notícias, 17.05.2011, p. 9).

 

[Texto 26]

1 comentário

Comentar post