Como se fala na rádio

Não tem fim

 

 

      «De alguém que vive à custa de outrem, que se aproveita dos bens alheios, que usufrui do que não é seu ou do que não produziu diz-se que é um parasita. A expressão é obviamente pejorativa e tira o seu significado da biologia, em que os parasitas são organismos que vivem em associação com outros, aos quais retiram os meios para a sua sobrevivência, normalmente prejudicando o organismo hospedeiro. Mas existe uma razão concreta para a estes organismos se chamarem parasitas» (Lugares Comuns, Mafalda Lopes da Costa, Antena 1, 6.07.2011).

      Não tem a desculpa do directo ou da oralidade, pois é um texto lido ao microfone. Indesculpável. Indesculpável também pela reincidência quotidiana no erro.

 

[Texto 264]

Helder Guégués às 07:38 | comentar | favorito | partilhar
Etiquetas: