Léxico: «teco-teco»

Quase tico-tico

 

 

      «A minha Tia e madrinha, a Tia Mimi, quando a guerra de África começou, ofereceu-se para acompanhar pelos sítios mais recônditos de Angola, em teco-tecos, os jornalistas estrangeiros» («Nada me faltará», Maria José Nogueira Pinto, Diário de Notícias, 7.07.2011, p. 54).

      De origem onomatopaica, teco-teco é, na definição do Dicionário Houaiss, o «pequeno avião, de construção leve e um só motor de explosão, próprio para treinos ou para trajectos curtos». Este dicionário regista que se trata de um brasileirismo, mas já sabemos quão pouco fiável é nestas atribuições. O Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora não acha o vocábulo digno de figurar nas suas páginas, ao contrário do Dicionário Priberam da Língua Portuguesa. Foi a última lição de Maria José Nogueira Pinto — eu não conhecia o termo. E a culpa foi de José Pedro Machado e do seu Grande Dicionário da Língua Portuguesa, único que eu li na íntegra (doze tomos), que não o regista.

 

 

[Texto 265]

Helder Guégués às 18:28 | comentar | favorito | partilhar
Etiquetas: