«Adesão/aderência»

Vida e linguagem

 

 

      «Ora, recentemente, o celebrado economista norte-americano afirmou que “a febre do ouro acabou” e tudo indica que tem razão. Primeiro, as cotações do metal precioso não param de cair. Depois, as bases teóricas que explicam esse movimento parecem ter uma aderência à realidade que é incontestável» («Num cenário de cotações em queda, Roubini diz que febre do ouro acabou», José Manuel Rocha, Público, 30.06.2013, p. 20).

      Há muitas confusões no uso destas palavras, parcialmente sinónimas: adesão e aderência. Neste caso concretamente, não é de ligação de superfícies que falamos. Desta preciso em dois tacos que estive esta manhã a colar com UHU, «fixação sem pregos de sancas e rodapés». «Agora com 300 g», que comprei por 4,60 nas Ferragens e Drogaria da Torre, ali na Joaquim Ereira.

      «A felicidade possível ou, o que é mais exacto, os momentos de felicidade na vida humana, só podem encontrar-se, também, nessa absorção do imediato, na adesão à realidade próxima» (Vida e Literatura, Pedro de Moura e . Lisboa: Livraria Bertrand, 1960, p. 346).

 

[Texto 3036] 

Helder Guégués às 17:21 | comentar | favorito