Português de cão

Duraram pouco, felizmente

 

 

      «A história do secretário de Estado que decide marcar encontros diários (briefings diz ele em português de cão...) com os jornalistas é significativa. E quando o dito secretário começa a ditar as suas regras (de instrumentalização, entre ons e offs, sempre em português de cão), alguém mandatado pela “classe” deveria levantar-se e dizer-lhe: “Não estamos aqui para lhe servir a sopa, mas sim para informar os cidadãos. E somos nós que decidimos o que é importante ser dito ou não.”» («A postura indispensável», J.-M. Nobre-Correia, Diário de Notícias, 6.07.2013, p. 43).

 

[Texto 3056]

Helder Guégués às 11:34 | favorito
Etiquetas: