Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Linguagista

«Réu/arguido»

Não queremos saber

 

 

      «Os réus fizeram um acordo para não cumprirem tempo de prisão e terem sentenças moderadas, reconhecendo pelo menos em parte a sua culpa, conhecido como pattegiamento [sic]» («Cinco condenações pelo Costa Concordia», Público, 21.07.2013, p. 29).

      Réu, em processo penal? Senhor jornalista, vá estudar um pouco. Vá lá, nós esperamos. Em contrapartida, quis brindar-nos com uma palavra italiana — escusadamente. Que interessa ao leitor que acordo ou transacção penal seja patteggiamento em italiano? Ainda por cima, como o comum dos mortais me avisa, escreveram incorrectamente a palavra, falta um g.


  [Texto 3103]

2 comentários

  • Sem imagem de perfil

    A.M. 23.07.2013 22:43

    Penso o mesmo...
    O réu sempre foi réu, entre nós, em processo civil como em processo penal... Até 1987, quando o legislador do C.P.Penal resolveu chamar-lhe... arguido.
    Mas isso, é claro, não tolhe nem vincula os falantes, que têm em geral muito mais senso do que aqueles que, tantas vezes por modos ínvios, conquistam circunstancialmente o privilégio de escrever nos livros da lei.
    Numa palavra, os falantes devem subordinar-se à terminologia estabelecida nas especialidades, mas não exactamente às bizarrias de legisladores feitos à pressa...
  • Comentar:

    Comentar via SAPO Blogs

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.