«Blog/blogue»

Escrever blogs... é já ridículo

 

 

      Continuam a perguntar-me se se deve escrever «blog» ou «blogue». Há cinco anos, quando comecei o Assim Mesmo, não tive dúvidas: «blogue». Nem as tenho agora. Uma vez que era improvável encontrar um termo português para designar a nova realidade, só restava um caminho: aportuguesar o anglicismo. E este vocábulo, convenhamos, estava a pedi-las. Vejam agora um caso semelhante: «Ainda posso acrescentar que, se há maridos portugueses que em praias, clubes (escrever clubs... é já ridículo, em português), nos “eléctricos”, nos combóios, nos barcos, nos teatros, etc., deixam as mulheres flartar, das duas uma: ou têm muito bom estômago, ou são tão cândidos que não perecem que os homens portugueses possuem, como disse Garrett, certa “veemência de sensações”, que altera a inocência do “flirt”» (Meditações Críticas sobre a Língua Portuguesa, Vasco Botelho de Amaral. Lisboa: Edições Gama, 1945, p. 190).

 

[Texto 32]

 

 

Helder Guégués às 23:27 | comentar | favorito
Etiquetas: