Irmãs Brontës

Dizem os editores

 

 

      «Disse-lhe que devia procurar um agente e mostrar-lhe o manuscrito. Recomendou-lhe o seu, que, por coincidência, era David Godwin! Este telefonou a Alexandra Pringle, editora executiva da Bloomsbury, que achou que o livro tinha “a qualidade de um Dickens do século XIX e ao mesmo tempo era futurista” e lembrou-se das três irmãs Brontës à volta de uma mesa a criarem um mundo imaginário. Samantha Shannon recebeu um avanço da Bloomsbury para escrever os três primeiros livros da série de sete» («Quase conto de fadas», Isabel Coutinho, «2»/Público, 1.09.2013, p. 9).

      Muito bem, cara Isabel Coutinho: irmãs Brontës. Já quanto a «avanço», é acepção empregada apenas no meio editorial. Nem sequer está dicionarizada.

 

  [Texto 3260]

Helder Guégués às 12:22 | comentar | favorito
Etiquetas: