Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Linguagista

Legendagem/dobragem

Pelo menos três

 

 

      Três canais de televisão por cabo, o História, o Bio e o Odisseia, vão deixar de ser dobrados em português. Apesar de em Portugal termos quase um milhão de analfabetos, não me parece mal, como já mais de uma vez o afirmei. É que suspeito que poucos deste quase milhão terão acesso frequente aos canais por cabo. Por outro lado, os que sabem ler mais ou menos e vêem estes canais sempre são obrigados a ler um pouco mais. Quando aqui tratei na última vez desta questão e lamentei o péssimo trabalho que estava a ser feito também pelos actores (aderindo, aliás, à opinião de Miguel Esteves Cardoso numa crónica), respondeu-me o leitor Al Martin: «Quero crer que os que emprestam suas vozes para dobragens não sejam, nem de longe, responsáveis pelos diálogos.» Nem eu tinha afirmado o contrário — mas se tivessem alguma sensibilidade e responsabilidade, sugeriam, melhoravam, desviavam-se do guião. Suspeito até que ninguém daria por isso. Não é apenas aos militares nazis que a fungibilidade fica mal.

     Qual a justificação para esta alteração dada pela empresa distribuidora? «A própria vontade dos telespectadores lusos, que preferem as legendas às locuções», diz Eduardo Zulueta, director-geral da Chello Multicanal, a distribuidora. Pode ser verdade, até porque «no país de nuestros hermanos, o Bio, o Odisseia e o História vão manter as dobragens. “Os espectadores espanhóis rejeitam as versões originais. O mercado português é distinto, é tradicionalmente pautado pela legendagem”» («Canais deixam de falar português», Nuno Cardoso, Diário de Notícias, 21.07.2011, p. 48). «Mas essa não é a única razão» para a alteração. «“Por outro lado, pretende-se garantir uma melhoria de qualidade e rigor nos conteúdos emitidos”, sublinha o responsável.» Estoutra razão é que já me parece ser areia para os nossos olhos. Com a dobragem não era possível melhorar a qualidade?

 

[Texto 327]

6 comentários

Comentar post