E «placodermo»?

Sim, e o singular, cada espécime?

 

 

      «O Entelognathus tinha cerca de 20 cm de comprimento (o tamanho de uma sardinha). Era um peixe da classe dos já extintos placodermos, cuja cabeça e ombros estavam cobertos por placas ósseas e que são considerados como o tipo mais primitivo de peixes com maxilares. Mas – e é aí que está a novidade –, embora à primeira vista os maxilares de Entelognathus parecessem bastante banais, afinal não eram. Tinham a estrutura dos nossos próprios maxilares, algo inédito num peixe como este. “É a primeira vez que vemos ossos [faciais] deste tipo num placodermo. Até aqui, os placodermos conhecidos tinham maxilares essencialmente feitos de cartilagem”, explicou ao PÚBLICO Min Zhu num email» («Este pequeno peixe viveu há 419 milhões de anos e tinha uma cara (quase) igual à nossa», Ana Gerschenfeld, Público, 26.09.2013, p. 37).

      No Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, e noutros dicionários, é muito comum estar registado o nome plural, mas não o singular. É outro erro.

 

  [Texto 3326] 

Helder Guégués às 09:19 | comentar | favorito
Etiquetas: