Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Linguagista

«Vinho alvarinho»

Pois, mas não

 

 

      «Nesse dia, entre dois copos de Alvarinho, aprendi com Álvaro Cunhal mais uma das mil e uma formas de matar o ideal comunista: o culto da personalidade» («Álvaro Cunhal a subir uma escadaria infinita», Pedro Tadeu, Diário de Notícias, 12.11.2013, p. 7).

     Talvez a brincadeira com o nome Álvaro pareça mais eficaz com o nome do vinho com maiúscula inicial, mas está, saiba Pedro Tadeu, errado. O vinho é com minúscula; a casta, com maiúscula.

     «O vinho alvarinho, branco, fresco, pouco alcoólico, leve, amável ao paladar e estimulante, é oriundo de uma casta de uvas trazidas da Grécia em tempos remotos» (Roteiro do Vinho Português, Jaime Batalha Reis. Lisboa: Secretariado Nacional da Informação, 1945, p. 62).

 

  [Texto 3505]

Comentar:

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.