«Sol/sol»

Sob o jugo da ortografia

 

 

      «Alisto-me na congregação da preguiça colectiva e, qual lagarto ao Sol, espreguiço-me por entre milhares de corpos caiados por loções que conspurcam a camada do ozono e as minhas narinas. Alheio-me do bulício mergulhando no romance histórico Under the Yoke, sob a pena do pai da literatura búlgara, Ivan Vazov» («Uma pequena península do tamanho da Humanidade», Ireneu Teixeira, «Fugas»/Público, 30.11.2013, p. 30).

      Há pessoas — logo por azar, aquelas que mais escrevem — que nunca sabem quando é que o astro-rei é grafado com minúscula e quando é grafado com maiúscula. Pode não ser muito grave, decerto, mas é um erro.

      «No primeiro domingo que pude sair sòzinho fui por Lordelo abaixo, com todas as cautelas para não escorregar ou cair, descansando como lagarto ao sol, fui passar em frente da casa para farejar, para imaginar como entrar em contacto com a E. C. que eu via todos os dias, tão bonita e tão proporcionada, passar para cima e voltar a casa num ar saudável de saia escocesa e camisola, com um bom sapato de golf comprado no Harrods» (O Mundo à Minha Procura, vol. 1, Rúben A. Lisboa: Livraria Portugal, 1966, p. 167).

 

  [Texto 3608]

Helder Guégués às 17:04 | favorito | partilhar
Etiquetas: