Tradução: «postscript»

Em português não se vende

 

 

      «Saliente-se, no entanto, que já em 1995 HK [Hans Küng] e o seu colega e amigo da Universidade de Tübingen, Walter Jens, crítico literário (falecido este ano, demente), escreveram o que em inglês foi traduzido por Dying with Dignity. A 
Plea for Personal Responsability. No último parágrafo desse “apelo”, num Postscript em torno da encíclica Evangelium Vitae, HK concluía: “Podemos expressar a esperança de que, se não morrermos de morte súbita, possamos deixar este mundo rodeados 
por verdadeiros amigos e com a ajuda de um médico compreensivo, em serenidade e confiança, em gratidão e tranquila expectativa”» («Um teólogo que optará pelo suicídio?», Laura Ferreira dos Santos, Público, 31.12.2013, p. 46).

      Leu em inglês, é Postcript; se tivesse lido a edição original, em alemão, estaríamos agora perante um bruto Nachwort. Queremos em português, Prof.ª Laura Ferreira dos Santos, em português. É o quê — epílogo, posfácio?...

 

  [Texto 3749]

Helder Guégués às 19:36 | comentar | favorito
Etiquetas: