«Laranja-vivo/azul-vivo»

Haja coerência

 

 

      «Estas trazem turbantes laranja-vivo em volta da cabeça e roupas verdes, roxas e amarelas» (Na Síria. Conta-me cá como Vives, Agatha Christie Mallowan. Tradução de Margarida Periquito. Lisboa: Tinta-da-China, 2010, p. 120). «A carroça está pintada de azul vivo e amarelo, os barris são azuis, o circassiano traz botas altas e vestes garridas» (idem, ibidem, p. 190). Ora, não pode ser: se se escreve laranja-vivo, também se tem de escrever azul-vivo, isso é certo e sabido. No original, uma é bright orange e a outra bright blue. Vermelho-vivo já está no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora; agora só faltam mais umas centenas de cores.

 

  [Texto 3805]

Helder Guégués às 08:23 | favorito
Etiquetas: ,