18
Mai 18

Léxico: «cornelho»

Nada se saberá

 

      «No tempo em que a fome apertava, as vagens das favas ainda não estavam cheias e já havia quem as comesse. Pelo menos nalgumas regiões do Douro era isso que acontecia, com o prato a chamar-se de cornelhos» («Ainda não formadas e já dão para comer», «Sexta»/Correio da Manhã, 18-24.05.2018, p. 32).

      Então tu, Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, que também és da região do Douro, não guardas a palavra? Aqui é outra coisa, mas cornelho designa sobretudo o fungão ou cravagem do centeio e do trigo, que antigamente o rapazio ia procurar nas searas e depois vendia nas boticas. Bem sei que registas cornecha/cornecho para o mesmo, mas não chega. Procura e encontrarás muitas abonações. Aquilino, por exemplo, também o usa, mas noutra acepção, a de alimpadura dos cereais: «Simultâneamente com o negócio das peles, Lúcio comprava cornelho, moinha, com que na cidade os pobres enchem as fronhas, e volfrâmio» (Casa do Escorpião, Aquilino. Lisboa: Livraria Bertrand, 1963, p. 77). Portanto, temos aqui várias acepções.

 

[Texto 9243]

Helder Guégués às 12:58 | comentar | ver comentários (1) | favorito | partilhar
Etiquetas: ,

Léxico: «panco»

Temos de saber o que é

 

      «Passadas longas, abafadas. Devia calçar os sapatos de salto quase raso, com sola de panco, que lhe ficavam tão mal. Soledad!» (A Noite Roxa, Urbano Tavares Rodrigues. Lisboa: Livraria Bertrand, 1956, p. 110).

      Panco é uma tela grossa de algodão, ordinariamente azul com pintas brancas e amarelas, e, como é brasileirismo, está no VOLP da Academia Brasileira de Letras. Não o encontramos no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, e, contudo, José Pedro Machado, no seu Grande Dicionário da Língua Portuguesa, acolheu-o.

 

[Texto 9242]

Helder Guégués às 11:03 | comentar | ver comentários (2) | favorito | partilhar
Etiquetas: ,
17
Mai 18

Léxico: «bolha»

Só um

 

      Destaque da Proteste Investe deste mês: «Bolha imobiliária: saiba se deve comprar casa». (Isto tem alguma coisa que saber? Se se tem dinheiro, compra-se.) E os dicionários, quanto a bolha? Só o Aulete, ao que me parece, salva a honra do convento. Andamos aqui há anos a falar de bolha disto e bolha daquilo e ainda não pensaram que tem de ser dicionarizado.

 

[Texto 9241]

Helder Guégués às 14:58 | comentar | ver comentários (3) | favorito | partilhar
Etiquetas: ,

Léxico: «descaroçador»

Polir, polir, polir

 

      Acabei de descaroçar umas quantas maçãs reinetas pardas. Usei, é claro, um descaroçador. E como define descaroçador o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora? Mal, penaliza-me dizê-lo: «aparelho que serve para tirar o caroço». É um utensílio simplicíssimo, não um aparelho. Aparelho, talvez em ambientes industriais.

 

[Texto 9239]

Helder Guégués às 11:55 | comentar | ver comentários (1) | favorito | partilhar

Léxico: «lobismo»

Só ilogismo

 

      «As propostas não são todas negativas. Acho que há muitas que são úteis. Portugal tem que aprovar a legislação sobre o que é a atividade do lobismo, mas acho que um pacote de transparência que vem rodear os políticos de uma floresta de interdições, em que se recebermos um telefonema de alguém temos que o escrever num registo, alguém pede para falar com um deputado e temos que ir ao registo e pôr lá: “Empresa de fulano tal, associação tal, deseja ser recebida”... » (Sérgio Sousa Pinto, deputado do PS, entrevista Renascença/Público, 17.05.2018, 00h08).

      Bem me parecia que faltava nos dicionários. «Queria pesquisar abismo, alogismo, clubismo, cubismo, dorismo, fotismo, gotismo, holismo, ilogismo, iodismo, laxismo, lirismo, lismo, lobinho, lobista, lobito, loisão, ludismo, lusismo, modismo, monismo, snobismo, tomismo, tonismo, zolismo, zotismo?», pergunta-me, solícito, o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora.

 

[Texto 9237]

Helder Guégués às 06:45 | comentar | ver comentários (1) | favorito | partilhar
Etiquetas: ,

Léxico: «palomino»

É a cor

 

      «– Claro – disse eu, imaginando-me de súbito vestido com um daqueles conjuntos de calças e casaco de pele de veado que os cowboys usavam noutros tempos, esquadrinhando o horizonte em cima do meu cavalo palomino. – Claro que encontraremos o raio da gruta, nem que tenhamos de consagrar toda a nossa vida a tão ingrata missão...» (Palácio da Lua, Paul Auster. Tradução de José Vieira de Lima. Alfragide: Edições Asa II, 2012).

      Está nos livros, não está nos dicionários. E hoje foi usado por um aluno que fez um cavalo com rolhas de cortiça. Atenção, senhores lexicógrafos, que não se trata de uma raça, mas de uma cor de pelagem. Ah, pois não, graficamente. No Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora: ✘. No VOLP da Academia Brasileira de Letras: ✔.

 

[Texto 9235]

Helder Guégués às 06:40 | comentar | ver comentários (1) | favorito | partilhar
Etiquetas: ,

Léxico: «berlina»

Rejeita o melhor

 

      «Jane lobrigou uma berlina preta – a berlina preta? – mais duas vezes antes de saírem de Manhattan mas, quando chegou ao quarteirão de Dee, parecia-lhe que os riscos loucos que o taxista correra tinham compensado: há mais de quinze minutos que Jane não via pistas de ainda a estarem a seguir» (666 Park Avenue, Gabriella Pierce. Tradução de Susana Serrão. Alfragide: Edições Asa II, 2012, p. 226).

      O Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora não regista berlina, muito usado, e, contudo, acolhe a dupla sinónima sedan/sedã.

 

 

[Texto 9234]

Helder Guégués às 06:38 | comentar | ver comentários (1) | favorito | partilhar
Etiquetas: ,

Léxico: «estado-maior»

Para não induzir em erro

 

      «Uma candidatura “transversal”, sem apoio de nenhum estado-maior partidário, mas com a mobilização de muitos dos seus apoiantes de todas as horas» («Uma campanha feroz», Dia 15, 15.05.2018, p. 6).

      Não estará nada mal pensado que o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora acrescente mais duas ou três acepções ao vocábulo estado-maior. Como está, é manifestamente pobrezinho: «MILITAR corpo de oficiais auxiliares directos do comandante nos estudos da situação, planeamentos e tomadas de decisão».

 

[Texto 9233]

Helder Guégués às 06:37 | comentar | ver comentários (1) | favorito | partilhar
Etiquetas: ,