19
Abr 19

Léxico: «plogging»

Finalmente, uma boa ideia

 

      Já que a vamos ver mais vezes, pois vai realizar-se mensalmente uma acção, fica aqui exarada: «Cuidar do ambiente enquanto cuida da sua saúde é possível. Plogging junta duas palavras suecas, plocka upp (apanhar) e jogga (correr), uma atividade que consiste em apanhar o lixo com que se vai cruzando enquanto pratica corrida» («Apanhar lixo a correr ao lado de uma campeã olímpica? O Plogging chegou a Portugal», TSF, 19.04.2019, 10h20, itálicos meus).

      Finalmente, qualquer coisa da Suécia sem ser as famosas almôndegas da IKEA.

 

[Texto 11 224]

Helder Guégués às 12:50 | comentar | favorito

Léxico: «quantização»

Quantos são?

 

      Atropelam-se-me debaixo dos dedos: vi agora mesmo que não registas prussianismo/prussianista, e dá jeito, não é? Mas eis que temos aqui algo mais sério: «quantização direccional» (Richtungsquantelung, escreve aqui Max Born). Ora, não tens quantização. Assim, não há ciência.

 

[Texto 11 223]

Helder Guégués às 10:20 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «tabopã/aparite»

Falta de materiais

 

      «Claro que não se chamava Sandokan: chamava-se Feliciano e na época em que me vestiam de minhota, vestiam-no a ele de príncipe malaio, de turbante com esmeralda de vidro e bigodes de rolha, e trotava-me debaixo da varanda, com os pais, para o Carnaval do Éden, onde no fim dos palhaços desprendiam dúzias de balões do tecto e piratas de perna de pau enfiavam papelinhos desalmados no pescoço de fadas de cabelo loiro de estopa e varinha de condão de tabopã, sufocadas de lágrimas de humilhação» (Livro de Crónicas, António Lobo Antunes. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1998, p. 147).

      Ainda um destes dias, nos Radicais Livres, Jaime Nogueira Pinto se mostrou todo admirado por Ruben de Carvalho usar as palavras aparite e tabopã. Enfim... Infelizmente, a Porto Editora acolheu o último com a grafia «tabopan» — o que não tem nada de português. Se o argumento, que não colhe, é o de que originalmente é uma marca comercial, tenho de lhes lembrar que se trata sempre de uma derivação imprópria, logo, em que há sempre um desvio. Então, porque não grafam «formica»? Ah... E ainda não registam tuvenã, como já sugeri. Como não registam aparite: «Erguiam-se, em coabitações irrisórias, paredes oscilantes de aparite e vastidões imponentes de mansões bradando riqueza, varandas largas, modelos importados da Sabóia, da Floresta Negra, telhados inclinados como se fosse nevar incontidamente este Inverno e paredes trabalhadas com esmero dentro de jardins bem cuidados, onde não faltavam artísticos desenhos de laguinhos, com peixes vermelhos e tufos de jarros muito brancos no meio» (Agrião!, Clara Pinto Correia. Lisboa: Relógio D’Água, 1984, p. 46).

 

[Texto 11 222]

Helder Guégués às 10:16 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «piano/cabaço»

Mas não toca

 

      Na montra da Churrasqueira X: «1/2 piano na brasa com batata frita e arroz: 5,50 €». Não é o instrumento musical de teclas, não, Porto Editora. Então não é a peça da carne de porco que traz as costelas do lombo? São esses ossos que fazem lembrar as teclas do piano. Ah, também já comprovei que não sabes o que é o cabaço — a que também se dá o nome de bochecha ou faceira. Tens de contratar um talhante.

 

[Texto 11 221]

Helder Guégués às 10:12 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,
18
Abr 19

Léxico: «tetradimensional»

Um dia chegarás aqui

 

      «E um sistema determinista como a teoria de campo de Einstein poderia até ser descrito como uma versão tetradimensional do universo tridimensional e imutável de Parménides» (Conjeturas e Refutações, Karl Popper. Tradução de Benedita Bettencourt. Lisboa: Edições 70, 2019, p. 178).

      Um dia chegarás aqui, Porto Editora. Convenho, já lá estás, mas preferes chamar-lhe quadridimensional. Não te podes dar por satisfeita, e nós tão-pouco.

 

[Texto 11 220]

Helder Guégués às 16:45 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «clubite»

Já é velha

 

      «O papa não teme a clubite característica dos estádios; apresenta-se tal qual é, frágil e doente no fim, mas habitado por um espírito que os jovens parecem perceber» (João Paulo II: A Biografia, Andrea Riccardi. Tradução de António Maia da Rocha. Prior Velho: Paulinas Editora, 2016, p. 347).

    Não é nada, meus amigos: já estava na excelente Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira. No dicionário da Porto Editora, nem vestígios. Isto não pode ser por malícia do Diabo, mas por incúria de alguém.

 

[Texto 11 219]

Helder Guégués às 16:25 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,

Léxico: «maxwelliano»

Aguardamos

 

      Tens maxwell (só faltava que não), a unidade de medida de fluxo magnético do antigo sistema de unidades CGS, mas ignoras maxwelliano, adjectivo: relativo ou pertencente a James C. Maxwell, físico escocês (1831-1879). E agora? Podemos contar com ele para a Páscoa?

 

[Texto 11 218]

Helder Guégués às 15:52 | comentar | ver comentários (1) | favorito
Etiquetas: ,