Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Linguagista

AO90, o mal alastra

Sabotagem?

 

      «[Ulisses, de James Joyce] É um romance dificílimo em termos de descodificação, mas maravilhoso na sua música, na sua verve, no seu tom ‘jocosério’, e quase sempre entendível ao nível da frase, nada que se pareça com o beco sem saída de outro Joyce, “Finnegans Wake” (1939), escrito numa novilíngua proibitiva. [...] Leopold Bloom encontra gente em lojas, igrejas, bibliotecas, tabernas, bordéis, funerais, e com elas discute teologia, política, obstetrícia, o “Hamlet”, o antissemitismo (Bloom é filho de um judeu húngaro): “Dizem que a Irlanda tem a honra de ser o único país que nunca perseguiu os judeus. (...) E sabe porquê? (...) Porque nunca os deixou entrar”» («Benefício de inventário», Pedro Mexia, «Revista E»/Expresso, 13.05.2022, p. 57). Mas Pedro Mexia não afiança e promete que «escreve de acordo com a antiga ortografia»? Seja como for, «jocosério» não está de acordo com nenhuma ortografia.

 

[Texto 16 347]