Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Linguagista

A escolha das palavras

Escrever é isso

 

 

      «De há muito [sic] que, nestas linhas, se fala da questão escocesa e do referendo que entretanto terá lugar. E obviamente, qualquer que seja o resultado, das suas repercussões sobre a questão catalã, basca, flamenga e do Norte de Itália. E bem assim das inúmeras dificuldades que uma eventual acessão da Escócia à independência trará à União Europeia» («O ricochete inglês (da Europa para a Escócia)», Paulo Rangel, Público, 9.09.2014, p. 44).

      Claro que sim, «acessão», de «aceder», mas a mim ocorre-me logo o conceito jurídico. E a Paulo Rangel, licenciado em Direito, não? O que está em causa é a escolha da melhor palavra, que não foi a mais adequada, como também neste caso: «O caso mudou de figura no fim-de-semana que passou, porque apareceram sondagens que dão uma vitória ao “sim”
 à independência ou que, pelo menos, apertaram, e muito, a anterior diferença entre o “não” e o “sim”. Devo dizer que, embora nunca tenha afastado e não afaste um prognóstico de vencimento do “sim”, estimo que o “não” acabará por ganhar.»

 

[Texto 5024]

Comentar:

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.