«À falta de argumentos»

Até parece mentira

 

      «Há falta de argumentos, resolveu ceder», escreve o nosso autor (e professor, e professor, digo a verdade e persigno-me), até parece mentira, mas é sempre verdade. Hoje vou citar Álvaro Cunhal, até para contrabalançar, porque já citei muitas vezes o Estorvo. «Merece», escreveu por alturas do Verão Quente, «porém, nos dias de hoje, mais uma palavra, porque, à falta de argumentos teóricos e de factos comprovativos das próprias concepções e posições, o boato tornou-se para alguns uma justificação e uma arma de propaganda» (A Revolução Portuguesa, Álvaro Cunhal. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1975, p. 142).

 

[Texto 5166]

Helder Guégués às 00:04 | favorito
Etiquetas: