«A não ser | a não serem»

Ficam a saber hoje

 

      «A não ser os seguranças e os guarda-costas, mais ninguém sabia que era esta a derradeira vez que o primeiro-ministro discursava no Parlamento.» Está certo, mas, como também afirmei em relação à locução por si só, que tanta polémica por aqui deu, prefiro não a usar como expressão invariável, sinónima de partícula de exclusão como «excepto» ou «salvo», e estou bem acompanhado, pois vamos encontrar em Machado de Assis, entre outros grandes escritores, frases como esta: «As dissipações não produzem nada, a não serem dívidas e desgostos» (in Contos Fluminenses, 1870). Portanto, saibam os insipientes e os intolerantes que, ainda que a generalidade das vezes se use como locução invariável, é igualmente correcto usá-la flexionada.

 

[Texto 11 344]

Helder Guégués às 09:13 | comentar | favorito
Etiquetas: ,