Acepção: «abater»

Estão a brincar

 

      «Os lança-granadas-foguete que foram roubados provavelmente não terão possibilidades de ser utilizados com eficácia. Porquê? Porque eles estavam seleccionados para serem o que nós dizemos em gíria militar abatidos», disse ontem o general Pina Monteiro, chefe de Estado-Maior-General das Forças Armadas. Gíria militar... Enfim, isso é o que ele pensa. «Suponha-se, p. ex., que o sujeito A. vai a conduzir um seu veículo automóvel a fim de o entregar numa sucata, para abater, e com cujo proprietário já negociara um preço x pela entrega» (Dano da Perda de Chance: Responsabilidade Civil, Durval Ferreira. Porto: Vida Económica – Editorial, 2016, p. 126). Mais espantoso, se possível, é o Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora não registar esta acepção – enviar veículo, embarcação ou certo material duradouro para destruição – do verbo abater. Caramba, por esta é que eu não esperava.

 

[Texto 8010]

Helder Guégués às 07:28 | favorito