«Acusações que impendem»

Esperto que nem um doutor

 

      «“Indício da prática de crime de abuso de poder, denegação de justiça e exposição ao abandono” são, segundo o advogado daquela auxiliar de acção educativa, Gameiro Fernandes, as acusações que impedem sobre a juíza Helena Leitão e a procuradora Margarida Pereira da Silva, ambas do tribunal de Cascais. A juíza está igualmente a ser alvo de um processo de averiguações movido pelo Conselho Superior da Magistratura, para “ver se existe matéria disciplinar”» («Entrega de crianças a pai condenado: MP abre inquérito a magistradas», Natália Faria, Público, 3.07.2016, p. 60).

      Pode ser gralha, mas... Esperto que nem um alho (ou um pássaro, ou um rato, ou um coral, vá) é o outro e não apenas escreveu como depois defendeu «bramir o estandarte». Veja, Natália Faria: «Impõe-se ao historiador o maior cuidado na busca das responsabilidades que impendem sobre os estadistas da parte final da Monarquia» (História de Portugal: A Queda da Monarquia, 1890-1910, Joaquim Veríssimo Serrão. Lisboa: Editorial Verbo, p. 162).

 

[Texto 6932]

Helder Guégués às 10:22 | comentar | favorito
Etiquetas: ,