Bombistas e bombeiros

Não pratica atentados

 

      Ao fim da manhã, um leitor diz-me que acaba de ouvir na Praça da Alegria a porta-voz do grupo Bombos de Janeiro de Cima, uma aldeia do Fundão, dizer que era «bombista com muito orgulho». Nos dicionários, nada. Parem as rotativas!

      Fomos ver e rever o programa e, se encontrámos o orgulho, nem rasto do bombista. Por vezes, julgamos ter ouvido isto ou aquilo, mas nem sempre corresponde à realidade. Seja como for, é uma boa questão: então o tocador de bombo não tem nome? É que, em relação a muitos instrumentos — bateria, viola, rabecão, etc. —, e já vimos isso aqui, o nome do próprio instrumento serve para designar a pessoa que toca esse instrumento. Não foi o caso, mas não me surpreende que haja quem use o termo bombista ou até bombeiro para designar aquele que toca o instrumento. Aliás, forçosamente os próprios instrumentistas arranjaram uma forma fácil, económica, de se designarem. Só não os encontramos nos dicionários porque estes estão distraídos. Rodrigo de Sá Nogueira, sobre esta questão, escreveu com graça, há décadas, que o «tocador de bombo é que por conveniência de alta política ficou destitulado».

 

[Texto 10 634]

Helder Guégués às 21:17 | comentar | favorito
Etiquetas: ,