Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Linguagista

Caldos e festas

Polícias e xerifes

 

 

    «Polícias e xerifes não querem acreditar. “Isso deixa-nos nervosos. Estamos a falar de situações caóticas por natureza. Misturar armas ao caldo não me parece boa ideia”, diz, ao Expresso, John Rutherford, xerife do condado de Duval e membro da “Florida Sheriffs Association”» («Armas contra zombies», Ricardo Lourenço, Expresso Diário, 13.05.2014).

      Que caldo? Temos o caldo entornado. Problema de tradução? Não será algo como «misturar armas à festa não me parece boa ideia»? Acepção, muito a propósito se diga, que não encontro, por exemplo, no Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora. «E, para ajudar à festa, a Julieta era uma sacana de maus fígados, tudo por adorar o menino Vasco» (Amor 5, Paixão 3, Manuel Arouca. Lisboa: Texto Editora, 2003, p. 18).

 

[Texto 4559]

1 comentário

Comentar:

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.