Com que então inglesa...

Uma simples preposição

 

      «Durante a digressão de estado em estado, Lindbergh perdeu-se duas vezes devido ao mau tempo e, em cada uma delas, decorreram várias horas antes de o contacto via rádio ser restabelecido e ele poder comunicar ao país que estava tudo bem» (A Conspiração contra a América, Philip Roth. Tradução de Fernanda Pinto Rodrigues. Revisão de F. Baptista Coelho, Lisboa: Publicações Dom Quixote, 2005, p. 45). Distracção? Convicção: «Nascera na Carolina do Sul em 1879, filho de um imigrante, negociante de tecidos, e sempre que se dirigia ao seu público judaico, quer do púlpito quer via rádio, o seu cortês sotaque sulista, aliado às suas cadências grandíloquas — e às cadências do seu próprio nome polissilábico —, deixava uma impressão de digna profundidade» (idem, ibidem, pp. 46-47).

      Passaram catorze anos, e agora decerto o revisor já sabe que via é uma preposição portuguesa como qualquer outra — e não grafamos nenhuma em itálico, não é assim?

 

[Texto 10 992]

Helder Guégués às 15:27 | comentar | favorito
Etiquetas: ,