Regência do verbo «suceder»

O romancista ou o jornalista?

 

      José Rodrigues dos Santos, ontem, em directo de Londres: «Quando Margaret Thatcher, por exemplo, foi afastada do Partido Conservador, quem a sucedeu foi John Major, que não... sem eleições gerais» («Grã-Bretanha sob fortes réplicas após sismo do Brexit», RTP1, 26.06.2016).

      No português antigo era, de facto, assim: prevalecia a regência directa (a sucedeu), ao passo que hoje em dia domina a regência indirecta (lhe sucedeu). Se o jornalista o ignora, o romancista não devia desconhecer.

 

[Texto 6909]

Helder Guégués às 23:57 | favorito
Etiquetas: ,