Confusão: «discriminação | descriminação»

Ainda nos espanta e indigna

 

      «Acabadinho de dar uma aula na Telescola, Marcelo Rebelo de Sousa improvisou uma conferência de imprensa para falar dos temas quentes do momento e divergiu da direita que diz que não há racismo estrutural em Portugal. “Há racismo em Portugal”, diz Marcelo. “Mas há muita descriminação na sociedade portuguesa a merecer atenção”. E “lutar não é destruir estátuas, é criar condições para reduzir desigualdades”. Centeno Governador do BdP? “Não vejo problema”. Apoios da UE? “Não estou otimista”» («Marcelo: “Há racismo em Portugal? Há! Mas destruir estátuas não é uma forma inteligente de o combater”», Ângela Silva, Expresso, 15.06.2020, 15h13).

      O céu nunca cai por causa destas coisas, mas cai-nos a alma aos pés. Como é que uma jornalista — um qualquer falante minimamente competente — dá semelhante erro? Para não termos dúvidas, o erro aparece quatro vezes. No limite, a jornalista até pode ignorar que há dois termos, parónimos, discriminação e descriminação.

 

[Texto 13 556]

Helder Guégués às 09:45 | comentar | favorito
Etiquetas: ,