«Contacto», Sandra Azevedo

Não há esperança

 

      «Cheguei com os pés bem assentes na terra e com quatro malas. Era eu nova na cidade. O primeiro contato com a cidade tornou-se repetitivo no primeiro dia» («Ninguém me disse», Sandra Azevedo, Jornal do Fundão, 26.05.2016, p. 12).

      Como é que uma aluna de mestrado em Jornalismo na Universidade da Beira Interior cai num erro tão grosseiro? Ainda não reflectiu nem leu nada sobre esta questão?

 

[Texto 6845]

Helder Guégués às 15:00 | comentar | favorito
Etiquetas: ,