«Cor-de-rosa» outra vez

A duplicar

 

      «Na viragem do século, o Kennedy que era, simultaneamente, um dos maiores galãs norte-americanos, com presença assegurada em todas as capas das revistas “cor de rosa”, morre a bordo de um pequeno avião que cai no estado do Massachusetts): ao lado de John Kennedy Júnior, filho do presidente assassinado, seguiam a mulher, Carolyn e a cunhada» («“Maldição” dos Kennedy [sic] chega ao número do azar: há dois desaparecidos», Rui Pedro Pereira, Jornal de Notícias, 5.04.2020, p. 43).

      Rui Pedro Pereira, o que falta para se convencer de que, seja qual for o acordo ortográfico, é «cor-de-rosa» que se escreve? Onde tem estado nestes anos todos? Em coma? E deixe lá as aspas em paz.

 

[Texto 13 103]

Helder Guégués às 09:00 | favorito
Etiquetas: ,