«Cura-se de um livro»

Curar-se desta enfermidade

 

      «Fez ontem precisamente um mês, apresentei no Porto, juntamente com Francisco Assis, o ensaio Conservadorismo, de João Pereira Coutinho. Cura-se de um livro exemplar a vários títulos e a demais propósitos. Muito bem escrito, com um português desafiante e atraente, marcado por doses de humor britânico e alguma ironia queirosiana, conciso e profundo, lê-se e relê-se de um fôlego só» («Liberdade e democracia, conservadorismo e revolução», Paulo Rangel, Público, 7.10.2014, p. 44).

      Seria sempre uma escusada originalidade, mas era preciso que o seu uso fosse adequado. Há acepções em que equivale ao verbo tratar ou sinónimos — não a tratar-se de —, como nas frases, de Morais, «não curo [cuido] disso», «não curam de [procuram] ser ricos», entre outras.

 

[Texto 5125]

Helder Guégués às 09:12 | comentar | favorito
Etiquetas: