«Descrição/discrição», de novo

Errar no básico

 

 

      «João Carlos tem 29 anos e foi militar, uma área onde a empresa que o contratou gosta de recrutar os funcionários. A empresa até se chama Mordomos, mas é mais como cartão-de-visita [sic] e “por status”. “Os militares são pessoas que sabem manter a confidencialidade, a descrição, têm conhecimentos de segurança e uma boa capacidade [sic] resistência ao stress. Estão preparados para cenários menos favoráveis”, justifica o recrutamento [sic] Miguel Soares, sócio da empresa, que tem capital português, angolano e espanhol» («Nem mordomo nem motorista... antes assistente pessoal», Céu Silva, Diário de Notícias, 29.06.2014, p. 14).

   Claro que nada piorou, e já o comprovámos, desde que não têm revisão: é rigorosamente igual.

 

[Texto 4775]

Helder Guégués às 08:29 | comentar | favorito
Etiquetas: