Discurso anafórico

Para ficar na memória

 

 

      «Hollande reagiu rapidamente após a demissão, distanciando-se do seu assessor e utilizando a figura de estilo da anáfora (a repetição da mesma palavra no princípio de uma frase), que lhe é bastante característica: “Aquilino Morelle tomou a única decisão que se impunha, a única decisão conveniente, a única decisão que lhe permitirá responder às questões que lhe são colocada”» («Assessor de François Hollande forçado a demitir-se devido
a conflito de interesses», Clara Barata, Público, 19.04.2014, p. 21).

     É uma característica de inúmeros discursos políticos, mas parece que sobressai mais nos discursos de François Hollande, é mesmo a sua botte verbale, como se lê aqui.

 

[Texto 4423] 

Helder Guégués às 09:07 | favorito
Etiquetas: