É só «asinha»

Torno a dormir quieto e sossegado

 

 

      «José Sócrates – e se o cito é porque ainda há pouco o ouvi citar Rimbaud  – falou em hecatombe! Não em débâcle: hecatombe. Quando se usa demasiadas vezes a palavra hecatombe, que é a palavra portuguesa para débâcle, corre-se riscos. Socorro, socorro, gritou Pedro, e um dia o lobo saltou de asinha ao caminho» («De barbas de molho», Ana Cristina Leonardo, «Atual»/Expresso, 31.05.2014).

      «De asinha»... Um advérbio com o anteparo de uma preposição? Deve ser por causa dos respingos da hecatombe. Camões nos Lusíadas: «Isto dizendo, acorda o Mouro asinha,/Espantado do sonho; mas consigo/Cuida que não é mais que sonho usado:/Torna a dormir quieto e sossegado.»

 

[Texto 4648]

 

Helder Guégués às 11:00 | comentar | favorito
Etiquetas: