Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Linguagista

Falsas cognatas

Vê-se logo — que não

 

     «Era Churchill quem os punha a entoar canções de espectáculos de variedades, algumas demasiado “robustas” para o gosto do capitão Dewar-Gibb» (O Fator Churchill, Boris Johnson. Tradução de José Mendonça da Cruz. Alfragide: Publicações D. Quixote, 2015, p. 124).

      Com milhares de textos, já não sei se alguma vez confessei que nunca conseguia ouvir sem um sorriso Paulo Portas usar, de uma forma um tanto invulgar, o adjectivo «robusto». Divergindo para o que aqui nos traz: «robustas»? Ah, as falsas cognatas... No original está robust, que, dado o contexto, não me parece que se possa traduzir senão por «rudes», «ásperas», talvez mesmo «grosseiras» ou «malcriadas».

 

[Texto 7015]

Comentar:

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.