«In its majesty»

Recuando um pouco

 

 

      «– Mas devido à vossa juventude, à vossa ficha limpa, devido às boas famílias a que pertencem e levando em conta o facto de que a lei de Sua Majestade não procura vingança, condeno-vos a três anos de reclusão numa penitenciária. Tal pena, porém, ficará suspensa – arrematou o juiz» (O Padrinho, Mario Puzo. Tradução de Mário V. Soares. Lisboa: Bertrand Editora, s/d, p. 14)

      Em meados do século XX, um juiz norte-americano a invocar a justiça de Sua Majestade? Coitado de Jorge VI, bem alheio a tudo isto. Erro de Mario ou de Mário? De quem havia de ser... No original, «because law in its majesty does not seek vengeance». Ou seja, «porque a lei, na sua majestade, não procura a vingança». Faz lembrar a frase irónica de Anatole France: «La loi, dans sa majesté sereine, permet aux pauvres comme aux riches de dormir l’hiver sous les ponts de Paris.» Inacreditável.

 

[Texto 4005] 

Helder Guégués às 09:23 | favorito
Etiquetas: