Jornada de la Muerte

Que fazer?

 

 

      «Mal olhou para a paisagem enquanto guiava para sul, mas, mesmo assim, apercebeu-se das cordilheiras de montanhas acidentadas para leste e oeste, os ranchitos com as suas leiras de melões e cereais agrupadas à volta do rio e, aqui e ali, viu da estrada as extensões rochosas do deserto e as camadas de lava da famosa jornada del muerte – para lá do vale do rio a terra era dura e árida» (Inquietude, William Boyd. Tradução de Inês Castro. Cruz Quebrada: Casa das Letras, 2008, 2.ª ed., p. 214).

      Está assim no original. (Na verdade, «fabled jornada del muerte».) Que deve o tradutor fazer perante um evidente erro do autor? Corrige, faz uma nota ou assobia para o lado? As notas de rodapé também estão, valha a verdade, em extinção. Bem, só pode ser Jornada de la Muerte, região desértica do Novo México, embora por vezes também se leia «Jornada del Muerto», e William Boyd, que saberá inglês e francês, de castelhano não pesca nada, pode ter confundido as duas.

 

[Texto 4058] 

Helder Guégués às 22:39 | favorito
Etiquetas: ,