«Levedura/levadura»

Espanholismo, arcaísmo... 

 

      ... ou nada disso. Pode ser lapso de revisão, mas na 50.ª edição do Prontuário Ortográfico e Guia da Língua Portuguesa, de Magnus Bergström e Neves Reis (Casa das Letras, 2011, p. 282), lê-se «levadura (m. q. levedura)» e «levedura (o m. q. lavedura)». Não sei se sabem, mas «levedura» é um arabismo, e o étimo, transliterado, é labbada, pelo que não era improvável termos até «lavadura». Mas não: temos, variantes, levadura e levedura. Afrânio do Amaral, nas suas Pesquisas Filológicas, depois de reconhecer que o velho Bluteau consigna a forma «levadura», afirma «tratar-se de arcaísmo, decorrente de lêvado ou, no opinar de alguns puristas, de mero espanholismo. A forma legítima é levedura». Se é arcaísmo, pelo menos nos dicionários actuais — que estão constantemente a arejar a casa — ainda sobrevive.

 

[Texto 5700]

Helder Guégués às 12:09 | favorito