Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Linguagista

Léxico: «abutre-preto»

Vontade real

 

      «No céu português voam três espécies de abutres: o britango (Neophron percnopterus), a espécie mais pequena; o grifo (Gyps fulvus), a espécie mais comum; e o abutre-preto (Aegypius monachus), a maior e a mais ameaçada. Se estas espécies que voam em Portugal também estão agora mais perto da fronteira com Espanha, no início do século XIX a sua distribuição era mais alargada no país. O britango já nidificou nas serras da Arrábida e de Sintra, o grifo fazia-o desde o vale do Guadiana até às serras do Centro e do Norte do país, e o abutre-preto estendia-se do Sul até à serra da Estrela. Até o rei D. Carlos I os ilustrou para o seu Catalogo Illustrado das Aves em Portugal, publicado em dois volumes em 1903 e 1907. Desenhou as três espécies e referiu como eram comuns em muitos pontos de Portugal» («Por que razão os abutres de Espanha não vêm para Portugal?», Teresa Serafim, Público, 30.01.2018, p. 26).

   Entretanto, sobejaram oportunidades ao Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora de ser agradável ao rei e registar o termo abutre-preto, mas ainda não o fez. Grifo e britango (que, a propósito da etimologia, vimos aqui) já acolhe.

 

[Texto 8643]

Comentar:

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.